segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Uma carta não enviada - parte I

Faz tempo que eu queria te falar.
Mas sabe como é: faltou coragem.
A gente sempre acaba se perdendo no tempo e pensando que nada disso faz sentido. A gente se esquece que um dia tudo isso tinha um sentido.
É estranho.
Talvez até seja normal, só eu não tenha me dado conta disso ainda.
Mas enfim, de tudo aquilo que eu queria pouca coisa sobrou. E essas sobras me deixam tonta e perdida. Não sei em que ponto eu me perdi. E você, se perdeu também?
Se isso for normal, então eu prefiro aqueles loucos dias em que vivemos em paz.
Se é que algum dia alguém viveu em paz.

Obs: talvez eu nunca escreva a parte II. Vai depender do meu Eu.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Um pouco do meu Eu.

Não consigo ser "como todo mundo"
Não consigo fazer como todo mundo faz
Gosto da mistura do amor pela saudade
E do ódio pela separação imposta
Sempre penso num talvez

E apesar de todos os pesares, eu respiro com prazer
Mesmo quando estou de mau humor
Mesmo quando o meu humor é tão bom
Que incomoda quem não o tem.

E a gente não tem nada mesmo.
E o nosso curto tempo é infinito para muitas outras coisas.